Caso Delta: governo reforça necessidade da vacina frente ao risco de novas internações

Fiocruz confirmou o único caso no dia 8 de setembro após analisar 131 amostras; outras são da variante Gama, P.1, identificada no Amazonas

Caso Delta: governo reforça necessidade da vacina frente ao risco de novas internações
Fiocruz analisou 131 amostras, e uma era da Delta

Após a confirmação do primeiro caso da variante Delta, da Covid-19, o Governo de Roraima emitiu uma nota de alerta na noite de ontem.

O documento, assinado pela coordenadora da Vigilância em Saúde (CGVS), Valdirene Oliveira, cita o risco de aumento no número de internações.

Além disso, ela fala para reforçar a vacinação em todas as pessoas a partir de 12 anos de idade.

“A partir do exponencial aumento no número de sequenciamentos da Delta e o possível aumento de casos e hospitalizações relacionados à variante nos estados, se faz indispensável elevar os esforços para ampliar as coberturas vacinais”, escreve.

A coordenadora emitiu diversas orientações às unidades de saúde, como fazer o atendimento de um caso suspeito, coleta de exames e comunicação às autoridades.

Caso Delta

O primeiro caso da variante foi anunciado ontem (10) pela Prefeitura de Boa Vista.

Uma mulher, com histórico de viagem para fora do estado, teve sintomas leves. Contudo, a prefeitura não informou se ela já estava vacinada.

Os familiares dela não adoeceram, mas as equipes de saúde buscam as pessoas com quem a mulher teve contato.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) confirmou o único caso no dia 8 de setembro após analisar 131 amostras. As outras são da Gama, a P.1, identificada, primeiramente, no Amazonas.

O jornal questionou o governo o motivo de o caso não ter sido comunicado antes, entretanto, não teve resposta.

Transmissão da Delta

Conforme a CGVS, a preocupação com a Delta é a alta capacidade de transmissão em relação às outras.

Com isso, podem aumentar as internações, além da pressão no sistema de saúde.

Dessa forma, a vacina é a forma mais eficaz de combater o vírus, bem como manter o uso de máscara, distanciamento social.

“Essas medidas permanecem eficazes na redução da transmissão desta e de todas as outras variantes”, diz a CGVS.

Dados

Ontem, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) confirmou cinco novos casos e quatro mortes pelo vírus.

Por outro lado, de acordo com os dados da secretaria, a vacinação segue em ritmo lento, puxado para trás pela falta de interesse da população.

Até esse sábado, apenas 18,7% dos roraimenses estavam completamente imunizados. Aqueles que tomaram a primeira dose somam 55,4%.

A vacina não evita de pegar a doença, mas reduz os riscos de agravamento e morte. Para ter a eficácia total do imunizante é preciso tomar as duas doses.

Por Josué Ferreira

Veja também

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x