Governo quer suspender decisão do TCE-RR contra Sesau

Decisão foi aprovada pela Corte em agosto de 2020, após denúncias de irregularidades em contratos da Secretaria de Saúde

Governo quer suspender decisão do TCE-RR contra Sesau
Palácio Senador Hélio Campos: Arquivo/Roraima em Tempo/Edinaldo Morais

O Governo de Roraima pediu para a Justiça derrubar uma decisão que proíbe pagamentos por indenização às empresas que prestam serviço sem contrato regular.

Os processos indenizatórios podem ser feitos em casos excepcionais, em que o governo não pode esperar o prazo de uma licitação comum.

Assim, a empresa fornece os produtos ou serviços e, posteriormente, a secretaria faz o pagamento. No entanto, especialistas alertam para os riscos de superfaturamento nas compras.

Durante a pandemia da Covi-19, esse tipo de pagamento se tornou comum na Secretaria de Estado da Saúde (Sesau).

Contudo, em agosto de 2020, o Tribunal de Contas do Estado de Roraima (TCE-RR) proibiu os pagamento nessa modalidade. Por causa disso, o Estado pediu, no dia 31 de julho, a suspensão da decisão.

Cautelar

A ordem do Tribunal de Contas ocorreu após denúncias de irregularidades em contratos da Sesau. Alguns foram suspensos por indícios de superfaturamento.

Mas, segundo o procurador Mivanildo Matos, a decisão é ilegal. Para ele, a competência de suspender contratos é da Assembleia Legislativa.

“Não cabe ao TCE deliberar pela suspensão de contrato de licitação, muito menos lhe compete mandar suspender qualquer ato dele decorrente, e, pior, determinar a suspensão de pagamento a título indenizatório, como o fez, pois, ao assim agir, está o TCE a fazer às vezes do Poder Judiciário, o que deve ser coibido para não se incorrer em invasão de Poderes e competência”, argumenta.

De acordo com o procurador, o pagamento por indenização é totalmente legal. Diz ainda que a decisão tem impedido a secretaria de fazer compras por essa modalidade, como insumos e medicamentos.

Urgência

Conforme o procurador, três empresas que fornecem alimentação aos hospitais estão com contratos vencidos desde ontem. 

Ele diz que a Sesau está, portanto, impedida de pagar pelos serviços prestados. Fala ainda que isso pode caracterizar enriquecimento ilícito do Poder Público, por ter recebido as alimentações e não efetivado o pagamento.

“Assim, a Sesau depara-se com a iminência da descontinuidade do serviço essencial de alimentação, não possuindo tempo hábil para a conclusão do processo anual, ou respaldo técnico-jurídico para realizar contratação emergencial, tampouco poder pagar as empresas por indenização ante a citada decisão cautelar”, relata.

Por fim, o governo pede que o TCE seja proibido de suspender qualquer pagamento a título indenizatório.

Citado

O Roraima em Tempo procurou o Tribunal de Contas, mas não recebeu resposta.

Por Redação

0
Would love your thoughts, please comment.x