Roraima registra aumento no número de mortes por aids; veja como prevenir e onde buscar tratamento contra a doença

Em 2022, o estado registrou 49 óbitos tendo o HIV ou a aids como causa básica, 172,2% mais que os 18 óbitos registrados em 2012

Roraima registra aumento no número de mortes por aids; veja como prevenir e onde buscar tratamento contra a doença
Foto: PMBV

Nos últimos dez anos, Roraima registrou aumento de 55% no coeficiente de mortes por aids, que passou de 4,2 para 6,5 óbitos por 100 mil habitantes. Em 2022, o estado registrou 49 mortes, tendo o HIV ou a aids como causa básica, 172,2% a mais que os 18 óbitos registrados em 2012.

Entre as capitais do país, Boa Vista registrou 9,2 mortes para cada 100 mil habitantes no ano passado (número maior que a taxa nacional). O Ministério da Saúde divulgou as informações no novo Boletim Epidemiológico sobre HIV/aids. O documento aponta também a taxa de detecção de aids em Roraima de 34,5 casos por 100 mil habitantes. Boa Vista detectou 45,2 casos. 

Em relação à detecção do HIV, em 2022, o documento mostra que foram notificados 43.403 casos em todo o país, sendo 6.200 no Norte e 259 em estado. A taxa de gestantes infectadas pelo HIV na capital roraimense é de 7,3 (casos por mil nascidos vivos). 

Prevenção e conscientização

Uma das formas de se prevenir contra o HIV é fazendo uso da PrEP, método que consiste em tomar comprimidos antes da relação sexual. O medicamento permite ao organismo estar preparado para enfrentar um possível contato com o vírus.

No mês dedicado à mobilização nacional de luta contra o HIV, a aids e outras infecções sexualmente transmissíveis, Dezembro Vermelho, o Ministério da Saúde lançou a nova campanha de conscientização com o tema “Existem vários jeitos de amar e vários de se proteger do HIV”, reiterando a importância do cuidado.

Estima-se que, atualmente, um milhão de pessoas vivam com HIV no Brasil, mas apenas 900 mil conhecem seu diagnóstico. Isso significa que aproximadamente 100 mil pessoas ainda precisam passar por um diagnóstico para que iniciem tratamento.

Portanto, com a intenção de ampliar a linha de cuidado, o Ministério da Saúde garantiu, em 2023, R$ 27 milhões para a compra de quatro milhões de unidades de um teste rápido que detecta, simultaneamente, sífilis e HIV. A inclusão do teste inédito no Sistema Único de Saúde (SUS) fortalece o rastreio e, além disso, dá mais agilidade ao tratamento para a população. 

Tratamento

A Prefeitura de Boa Vista disponibiliza de forma gratuita, nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) os testes rápidos imunocromatográficos. Com a medida, os vírus Sífilis, HIV, assim como Hepatite B e C podem ser detectáveis, potencializando um tratamento adequado.

O exame, feito com amostra de sangue, é um processo prático, rápido e sigiloso. O resultado sai em até 30 minutos, desde a coleta.

As profilaxias de pré e pós-exposição ao vírus (PrEP e PEP), também são disponibilizadas gratuitamente pelo SUS em algumas Unidades Básicas de Saúde de Boa Vista (UBSs).

Tais tratamentos têm o potencial de reduzir significativamente o risco de infecção pelo HIV, oferecendo novas ferramentas para combater a propagação da epidemia.

Fonte: Da Redação

Veja também

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x