Caso Jânio e Flávia: Ministério Público pede prisão preventiva de investigados por assassinato do casal de agricultores no Cantá

MP requer ainda que as informações fornecidas pelo ex-segurança de Antonio Denarium em depoimento sejam encaminhadas ao Tribunal de Justiça, visto que envolvem o comandante-geral da PM, Miramilton Goiano, e do próprio governador

Caso Jânio e Flávia: Ministério Público pede prisão preventiva de investigados por assassinato do casal de agricultores no Cantá
Jânio Bonfim de Souza e Flávia Guilarducci, casal que foi morto em disputa por terras no Cantá – Foto: Reprodução

O Ministério Público de Roraima pediu, no dia 5 de julho, a conversão da prisão de temporária para preventiva de quatro investigados pelo assassinato do casal de agricultores Jânio Bonfim de Souza e Flávia Guilarducci, ocorrido no Cantá: Helton John Silva de Souza, Caio Porto, Johnny de Almeida Rodrigues e Deivys Jesus Mundarain Vegas.

Helton John, que é ex-segurança do governador Antonio Denarium (Progressistas), está preso desde o dia 10 de maio. Johnny de Almeida está em prisão domiciliar, enquanto o empresário Caio Porto e Deyvis Jesus estão foragidos com mandados em aberto.

Além de solicitar a conversão das prisões, o MP requer ainda que as informações fornecidas por Helton John no depoimento do dia 27 de junho sejam encaminhadas ao Tribunal de Justiça de Roraima. As declarações do policial envolvem o comandante-geral da Polícia Militar, Miramilton Goiano e do próprio governador do Estado. Entenda:

O crime

O crime aconteceu no dia 23 de abril e a suspeita é de que ele foi motivado por uma disputa de terras. Segundo investigação da Polícia Civil, dois suspeitos foram até a fazenda das vítimas, invadiram a residência deles e efetuaram disparos de arma de fogo contra o casal.

Um dos vizinhos da propriedade ouviu o barulho dos tiros e, logo em seguida, recebeu a ligação de um dos trabalhadores das vítimas pedindo socorro. Quando o homem chegou no local, encontrou Jânio ainda com vida, momento em que o agricultor disse a ele quem eram os suspeitos.

A testemunha chegou a levar as vítimas para o hospital, mas elas não resistiram aos ferimentos.

Ameaças

Após o crime, a Polícia Civil iniciou as investigações. Os agentes apuraram que a mesma testemunha que prestou socorro ao casal, também foi ameaçada por quatro homens no dia anterior.

A testemunha e o agricultor haviam combinado de fazer uma plantação de feijão numa parte da terra. Em uma segunda-feira, a testemunha olhava o local onde fariam a plantação. Momentos depois, chegaram quatro homens e um deles estava armado com uma pistola calibre 380.

“Eles foram na propriedade e encontraram a testemunha, que é um policial militar da reserva. Eles fizeram a ameaça afirmando que o casal havia invadido as terras deles e, logo depois, foram embora”, relatou o delegado titular.

De acordo com o relato da testemunha, que ainda chegou a conversar com o agricultor sobre as ameaças, este afirmou que a terra lhe pertencia e estava toda documentada.

Fonte: Da Redação

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x