Exclusivo: MPRR diz que sequestro ordenado por Jalser é ação de ‘ditadura cruel’

De acordo com a procuradora-geral Janaína Carneiro, o deputado criou uma ‘milícia’ na Assembleia Legislativa

Exclusivo: MPRR diz que sequestro ordenado por Jalser é ação de ‘ditadura cruel’
Jalser está preso por ordem da juíza Graciete Sotto Mayor – Foto: Divulgação/ALE-RR

O Roraima em Tempo teve acesso exclusivo a um documento do Ministério Público (MPRR) que detalha a participação de Jalser Renier (SD) no sequestro e tortura do jornalista Romano dos Anjos.

De acordo com a procuradora-geral Janaína Carneiro, o deputado criou uma “milícia” na Assembleia Legislativa. Ela compara o sequestro do jornalista como um crime que ocorre em “Estados fascistas e ditaduras cruéis”.

O órgão elenca sete situações que evidenciam a participação do parlamentar e sustentaram a prisão preventiva.

  • Depoimento de policial diz que Jalser mandou sequestrar jornalista;
  • Investigados têm vínculo e trabalhavam para Jalser;
  • No dia do crime alguns militares estavam no escritório de Jalser;
  • Criminosos citaram questões políticas quando torturaram jornalista;
  • Ameaça de Jalser a Denarium;
  • Ligação para o delegado-geral Herbert Amorim para reclamar de força-tarefa;
  • Mensagens dos policiais em grupos de WhatApp da Assembleia.

Jalser é apontado como mandante do crime contra o apresentador, praticado por uma organização criminosa chefiada pelo parlamentar.

Conforme Janaína, os militares do grupo são altamente treinados física e psicologicamente, e o sequestro foi o ápice dos crimes, “o que pode ser considerado o embrião de uma milícia armada em Roraima”, tal como ocorre no Rio de Janeiro.

“Assim, a situação é gravíssima e requer uma urgente e firme resposta estatal, caso contrário, perder-se-á o controle, tal qual ocorreu em outros estados da federação”, diz Janaína.

‘Recado’

Segundo a procuradora-geral, o objetivo do sequestro do jornalista foi a aplicação de castigo pessoal, punição e intimidação.

Além disso, a intenção do grupo criminoso era enviar um recado não só para Romano, mas para todos os jornalistas que criticassem o deputado. Para Janaína, a materialidade dos gravíssimos crimes é incontestável.

“O deputado Jalser criou na ALE uma verdadeira milícia, com especialistas em inteligência, oficiais e soldados militares de elite, leais a ele (incluindo integrantes de sua guarda pessoal) com a finalidade de servirem a seus caprichos e intimidarem seus adversários políticos”, fala.

A procuradora cita que o Setor de Inteligência deveria atuar em favor da Assembleia, e “não criar um regime de terror contra desafetos políticos de quem quer que seja”.

Janaína também considera que os investigados tinham acesso ao alto escalão das instituições públicas.

Além disso, cita que a ousadia de Jalser é tão grande que ele ameaçou o governador Antonio Denarium (PP) após a criação da força-tarefa para investigar o caso.

É que em novembro de 2020, o deputado e alguns investigados foram ao Palácio do Governo. Jalser exigiu do governador o fim do inquérito.

Ao Ministério Público, o atual presidente da Assembleia Legislativa, à época chefe da Casa Civil, confirmou a ameaça de morte ao governador.

Também em depoimento ao órgão, Denarium assegurou que, durante o encontro com Jalser, “esquentou um pouco os ânimos”.

“Ele [Jalser] ficou aborrecido com a situação e naquele momento. Lá ele me falou que se por acaso chegasse no coronel Paulo Cézar e que ele fosse preso, ele me dava um tiro e se matava, ou seja, esquentou um pouco os ânimos ali e a conversa já terminou e logo ele já foi embora”, disse o govenador ao MPRR.

Ligação

Jalser também ligou para o delegado-geral da Polícia Civil, Herbert Amorim, dias após a criação da força-tarefa.

Para Janaína Carneiro, o comportamento do parlamentar é suspeito, já que a força-tarefa tinha sido criada há poucos dias e, sequer, havia algum nome envolvido.

“Isto equivale, na prática, a um atestado de confissão, posto que, naquele momento ainda não havia investigação nem suspeitos, mas o deputado Jalser já agiu como se tivesse certeza de que a investigação chegaria nele e no Coronel Paulo Cezar”, diz.

Para ela, a atuação do político reforça “periculosidade”, já que ele usava o aparato público para determinar aos subordinados que cometessem crimes.

“A organização era comandada pelo deputado, que detinha o domínio do fato sobre os demais e orquestrava as ações. Apurou-se que eles operavam seguindo estritos padrões de obediência hierárquica, numa estrutura complexa e voltada à prática de ilícitos”, escreve.

Jalser citado no inquérito

Conforme a Polícia Civil, o crime foi cometido por uma organização criminosa especializada em espionagem, inteligência, logística e segurança privada.

A organização funcionava dentro da Assembleia Legislativa, e tinha como líder o deputado Jalser Renier, de acordo com as investigações.

Formado em grande parte por policiais militares da reserva e da ativa, o grupo, inclusive, tinha uma hierarquia militar, partindo de Jalser, passando pelos coronéis, bem como majores até chegar aos subalternos.

As investigações revelam que Jalser chefiou o grupo dentro da Assembleia Legislativa entre os anos de 2015 e 2021.

Coincidentemente, esse foi o período em que ele esteve à frente da presidência. Depois de afastado da função pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o deputado viu todos os militares serem exonerados da Casa Militar.

Depoimento indica Jalser

Outra prova testemunhal produzida pelos investigadores é o depoimento de um militar. O Roraima em Tempo teve acesso exclusivo às declarações.

Ele disse que o subtenente Clóvis Romero o procurou na primeira quinzena de outubro de 2020, mês do sequestro, para propor que participasse do crime. Clóvis era membro da equipe de segurança pessoal de Jalser.

Ainda conforme o documento, Clóvis disse ao policial que tinha uma “missão tenebrosa” determinada por Jalser. Contudo, o PM relatou ter questionado qual era a “missão” e ouviu a seguinte resposta:

“é uma missão tenebrosa, capaz de perder a farda”. Em seguida, o militar perguntou novamente para Clóvis qual era a missão, tendo ouvido: ‘passar um recado para um jornalista’”.

Sequestro

O sequestro do jornalista Romano dos Anjos ocorreu no dia 26 de outubro do ano passado. Bandidos o retiraram de casa, o torturam e em seguida o deixaram em uma área na região o Bom Intento, na zona Rural de Boa Vista.

Romano estava com pés e mãos amarrados com fita adesiva, mas conseguiu se soltar. Como resultado, ele passou toda a noite próximo a uma árvore no Bom Intento. Os criminosos também queimaram o carro do jornalista.

Em depoimento à Polícia Civil, o jornalista disse que os criminosos citaram o nome do governador e do senador Mecias de Jesus (Republicanos). Logo depois, os dois políticos negaram.

Denarium pediu à Polícia Federal que assumisse a investigação do sequestro, mas a Superintendência afirmou que não havia elemento que federalizasse o caso.

Detalhes

Romano relatou que havia saído para comprar sushi com a esposa, Nattacha Vasconcelos, na noite do crime. Ele não percebeu se estava sendo seguido ao ir ao estabelecimento no bairro Pricumã.

Ao chegar em casa, no bairro Aeroporto, fechou o portão, travou o carro, mas não fechou com a chave a porta da residência, pois os cachorros estavam soltos.

Quando jantava com a esposa, ouviu o latido, saiu para ver o que era, mas ao abrir a porta se deparou com três criminosos armados, sendo que um fazia segurança.

Os bandidos colocaram o casal no quarto, pediram dinheiro e perguntaram onde ficava o cofre. Eles algemaram Romano que também teve boca e olhos vedados com fita.

Em seguida, um dos sequestradores levantou o jornalista, por meio de “técnica típica” que os policiais usam para conduzir presos.

Na sala da residência, pediram a chave do carro. O jornalista indicou onde estava e pediu que deixassem a carteira com documentos.

Os criminosos mandaram que ele calasse a boca, usaram novamente fita, desta vez do queixo até a parte de trás da cabeça, o colocaram na parte de trás do veículo e deixaram o imóvel.

Um dos sequestradores mantinha a cabeça do comunicador para baixo. Em determinado momento, o jornalista acredita que um deles “falou possivelmente em um rádio de comunicação para informar que estavam chegando no local combinado”.

Troca de carro

Pararam o carro e colocaram Romano em outro veículo, que acreditou ser uma caminhonete, “pela altura e barulho do motor a diesel”.

Depois, o jornalista foi tirado do carro, retiradas as algemas, mas as mãos foram amarradas por uma corda. Em seguida colocaram um capuz na cabeça do apresentador.

Romano disse à Civil que um dos bandidos falou: “Você gosta de denunciar, né?”. Outro criminoso, que tentava falar em espanhol, perguntou: “Você gosta de denunciar o Denarium? Você gosta de denunciar o senador Mecias?”. Depois de questionado, ele foi agredido no peito, joelho e braços.

O jornalista contou que outra pessoa, que ele não tinha ouvido a voz até então, disse: “Ok! Acabou! Vamos!”.

Após a ordem do suposto líder, ele foi abandonado na região, que se tratava do Bom Intento, zona Rural de Boa Vista, onde foi encontrado na manhã do dia 27 de outubro.

Ele disse que com muito esforço conseguiu desatar o nó da corda, mas não conseguiu levantar os braços para tirar a fita dos olhos.

Gritou por socorro durante as 12 horas que ficou desaparecido e esperou amanhecer. O apresentador conseguiu tirar a venda com ajuda da ponta de um galho.

Depois, viu, com muita dificuldade, uma motocicleta e pediu ajuda. O servidor da concessionária de energia o reconheceu e o ajudou. A Polícia Militar e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foram chamados para socorrê-lo.

Por Redação

Veja também

Comentários

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x